Inspira, Respira, não... Pira!
“Sabe, não é fácil pra mim. Não é fácil gostar de você e continuar conversando contigo feito um amigo qualquer. Não é fácil te ver e ter que me recolher, guardar toda a minha vontade de dizer que gosto de você, que quero você e que amo você. Literalmente não é fácil. Isso se torna mais difícil ainda quando a sua música favorita agora também é a minha favorita; e eu passei a ouvir, ler e acreditar em tudo que você gosta. Passei a ouvir aquela banda que eu sempre achei ridícula por você, passei a ver aquele desenho que nunca teve graça mas que com você agora tem. Tudo com você tem graça. Você me faz rir de maneira fácil. Você mexe comigo de uma maneira nunca sentida e é por isso que eu quero tanto te dizer… Te dizer que quando converso com você as palavras fogem, e a minha única vontade é estar com você; te dizer que de todos os loucos do mundo o meu coração escolheu gostar de você.”
Verbeais. (via verbeais)

“Então vos digo senhor,
tem horas que sou flor,
outrora viro dor
consequente de um amor
do qual guardei rancor,
mas ao final desse verso,
não sei quem eu sou.”
— Bárbara Beltrão  - Aflorante   (via passaropreto)

“E no fim eu sempre acabo me cansando de tudo.
Da rotina, das mesmices, da falta de novidades,
da normalidade, dos sorrisos forçados, das amizades forçadas.
Pessoas que falam demais e que realmente nada tem a acrescentar, muito papo furado, enfim tudo isso se torna tedioso demais para mim.”
Fernanda Marques   (via passaropreto)

“Se não era amor, era da mesma família. Pois sobrou o que sobra dos corações abandonados. A carência. A saudade. A mágoa. Um quase desespero, uma espécie de avião em queda que a gente sabe que vai se estabilizar, só não se sabe se vai ser antes ou depois de se chocar contra o solo. Eu bati a 200 km por hora e estou voltando a pé pra casa, avariada. Eu sei, não precisa me dizer outra vez. Era uma diversão, uma paixonite, um jogo entre adultos. Talvez este seja o ponto. Talvez eu não seja adulta o suficiente para brincar tão longe do meu pátio, do meu quarto, das minhas bonecas. Onde é que eu estava com a cabeça, de acreditar em contos de fada, de achar que a gente muda o que sente, e que bastaria apertar um botão que as luzes apagariam e eu voltaria a minha vida satisfatória, sem seqüelas, sem registro de ocorrência? Eu não amei aquele cara. Eu tenho certeza que não. Eu amei a mim mesma naquela verdade inventada. Não era amor, era uma sorte. Não era amor, era uma travessura. Não era amor, eram dois travesseiros. Não era amor, eram dois celulares desligados. Não era amor, era de tarde. Não era amor, era inverno. Não era amor, era sem medo. Não era amor. Era melhor.”
Martha Medeiros. (via verbeais)

“Estou te escrevendo e espero que essa seja a última vez. Porque eu realmente espero que você leia e tenho lá um fundo, uma faísca de esperança de que você entenda que esse texto é pra você. Pelo menos dessa vez. Olha, eu não sei dar um nome ao que temos. E nem preciso. Só quero que você perceba que esta me perdendo aos poucos. A cada dia que passa sem ouvir minha voz e eu a sua. A cada dia que você se distancia. Não vou correr atrás. Não vou se quer mandar um torpedo pedindo desculpas. Afinal, eu deveria pedir desculpas pelo que? Por ser quem eu sou? Há quantas luas você me conhece? Acho que já teve oportunidade suficiente pra me entender, ou pelo menos me aceitar. Até porque me decifrar acho que você nunca vai conseguir mesmo. Mas você disse que se sente bem ao meu lado. Que gosta de conversar comigo e que estaria sendo muito idiota ao tentar me afastar. Mas é isso o que você está fazendo. Me afastando. De você e disso que temos mas que eu não sei o nome.”
Querido John.  (via cerejeiro)

orando por um mundo com menos putas querendo ser fofas


“Dá vontade de mandar meia dúzia de gente tomar no cu e correr pra casa chorando, se trancar no quarto pra tomar um toddy e jogar playstation até ficar vesga.”
Tati Bernardi.  (via revejo)

“É praticamente impossível olhar fixamente nos seus olhos ou prestar atenção nas tuas palavras enquanto seu corpo está a centímetros do meu. Porque tudo que eu sinto é vontade de tocar meus lábios nos teus. Provar o doce dos seus beijos. Me afogar nos teus abraços. E me perder em cada curva do teu corpo, ate não conseguir mais encontrar o caminho de volta.”
— Cleber Oliveira.   (via passaropreto)

“Deus mudou o teu caminho até juntares com o meu e guardou a tua vida separando-a para mim. Para onde fores, irei; onde tu repousares, repousarei. Teu Deus será o meu Deus. Teu caminho o meu será.”
—  Rute 1:16-17  (via deus-te-escolheu-jovem)

“Espalhe que o amor não é banal. E que, embora estejam distorcendo o sentido verdadeiro dele nos tempos modernos de hoje, ele existe e é o ingrediente mais importante da vida, a própria poção mágica da felicidade.”
Mário Quintana. (via carencias)

“Ok, não vou mentir, tenho sentimentos de amor por você. Mas estou deixando de alimentá-los. Um dia eles morrem. É assim, tudo que não gera felicidade, degenera, morre na impermanência. Nem pra sempre, nem nunca mais.”
Gabito Nunes. (via resolto)

“Me escondi tão bem,
que até eu mesmo não consigo me encontrar.”
— Apagou.   (via conotos)

“Se for verdadeiro vai acontecer, independente de tempo e distância.”
Cazuza.   (via conotos)

“Porque se eu
sentir medo
é só você
colar em mim
e dizer que
tudo vai ficar bem
que eu de tão tolo
acredito.”
— Gabriel Sander   (via conotos)

As flores

conotos:

são borboletas disfarçadas,

e dorminhocas.

Mas quando a brisa as toca

elas dançam como bailarinas

sob um raio de sol.

desacordes


|THEME|